Educação de Santa Cruz

A Congregação de Santa Cruz assume como núcleo central do seu Carisma a Missão da educação cristã. Nas palavras de Pe. Moreau:

“nossa missão é a educação dos jovens, aliás, meio privilegiado de evangelização… Essa educação é a educação integral… a arte de ajudar os jovens a atingirem sua plenitude, preparando-os para serem cidadãos responsáveis, bons obreiros da cidade terrena e da cidade celeste…”

A educação integral de Santa Cruz articula-se e sustenta-se a partir de um conjunto de princípios centrais, entre os quais destacamos educar a mente e o coração, levar esperança, agir com zelo e promover o espírito de família.

Educar mente e coração

“Sempre colocaremos educação e instrução lado a lado: a mente não será desenvolvida em detrimento do coração… O conhecimento sozinho não traz valores positivos, mas valores positivos influenciam o bom uso do conhecimento”
Pe. Moreau

Na tradição de Santa Cruz, mente e coração são tão entrelaçados que o desenvolvimento de um promove o do outro. Sem educar a mente, não vamos ter a competência necessária para ver as muitas realidades em nosso mundo que precisam ser transformadas e, sem educar o coração, nunca teremos a coragem de agir em apoio a essa transformação. Ao assumir como escopo da educação a formação integral, Pe. Moreau afasta qualquer possibilidade de empobrecimento do caráter científico da escola: “[…] ninguém precisa temer que confinaremos nosso ensino dentro de limites estreitos e não científicos … Não queremos que nossos alunos ignorem algo que devam saber”. Hoje, em nossas escolas, ampliamos esse conceito com a ideia de educação multidimensional, entendida como a busca do desenvolvimento pleno de todas as  necessidades e as potencialidades do educando como pessoa, como profissional e como cidadão.

Levar esperança

“Pela educação contribuiremos para tempos melhores do que os nossos… porque os estudantes que hoje frequentam nossas escolas serão os pais das futuras gerações…”
Pe. Moreau

Nosso mundo necessita de pessoas convencidas de que há um futuro possível e, por isso, vivem e ensinam esperança ao mundo. A esperança dá-nos a coragem de correr riscos. Por isso, a missão da educação vale o nosso tempo, energia e talento. A Educação, nessa perspectiva, é a arte do enfrentamento de nossos limites humanos, por meio da aquisição do conhecimento e de valores que nos ajudem a melhorar nosso próprio viver e a vida do mundo.

Fomentar o zelo

“…Educadores animados pelo espírito do zelo assumem suas obrigações com garra, afeição, coragem e perseverança […] e somente são felizes quando seus estudantes progridem no conhecimento e na virtude”
Pe. Moreau

O zelo, fruto da esperança, é o fervor que nutre a renovação permanente do compromisso dos educadores, unidos em cooperação mútua, em prol da formação do educando. Não é um sentimento sobre o que deve ser feito, mas está no próprio fazer. É exigência que impõem a si mesmos os que abraçam essa nobre tarefa na busca da excelência em tudo o que fazem, encontrando mil maneiras para colocar em prática seus objetivos.

Ser família

“Para termos sucesso neste importante trabalho, nós precisamos ser tão intimamente unidos que formamos uma só mente e um só coração”
Pe. Moreau

Em uma escola de Santa Cruz, o trabalho educativo é uma obra coletiva. A união é cultivada por meio do respeito mútuo, do reconhecimento dos dons de cada um e pela cooperação. É como uma família que implementamos a missão educacional de Santa Cruz. Ser família promove compaixão e amor, reconhece o valor de cada indivíduo, oferta apoio através do encorajamento, de relações saudáveis e generosas, cultiva um ambiente de hospitalidade.

A obra educacional de Santa Cruz, iniciada na França em 1837, rapidamente suplantou fronteiras. Em todos os lugares, as escolas, de um lado, mantiveram-se fiéis à missão e aos princípios educativos de Santa Cruz e, de outro lado, adaptaram-se às realidades em que se inseriram, respeitando sua cultura, buscando sempre qualidade acadêmica e humana, contribuindo para a promoção da vida nessas sociedades. A missão, portanto, não diz respeito a um conteúdo a ser transmitido aos outros para ser conservado, mas a um modo de ser, de fazer e de se relacionar, próprios de Santa Cruz.

O aluno que formamos

 

O esforço educativo constitui um percurso de aprendizagem que conduz à transformação do aluno, destinatário do trabalho educativo, rumo à sua plenitude.

Do aluno espera-se adesão consciente à proposta educacional de Santa Cruz, à medida que se desenvolve, assumindo o desafio de construir um projeto de vida pautado na educação da totalidade de seu ser, que engloba o desenvolvimento da mente, a formação do caráter e a formação do espírito.

Para auxiliar o aluno nesse percurso, o ambiente educativo leva-o a desenvolver a disciplina e a autonomia, ao mesmo tempo em que é reconhecido e valorizado por seus progressos e realizações. Assim preparado, cumpre seus deveres, reivindica seus direitos, cultiva relacionamentos saudáveis e adquire consciência das possibilidades e limites do mundo em que vive, contribuindo para um futuro promissor para a sociedade, com democracia e liberdade.

O egresso da escola de Santa Cruz torna-se um sinal para o mundo na medida em que vive, com lucidez e coragem, em todos os lugares, aquilo que ele foi na escola, contribuindo, assim, para o contínuo progresso do gênero humano.

O educador de Santa Cruz

“[…] educadores são modelos de vida para seus alunos […] suas qualidades pessoais, como fidelidade, conhecimento, zelo, prudência, gentileza, paciência e firmeza o tornarão capaz de promover o desenvolvimento dos jovens alunos e colocar em prática a visão educacional de Santa Cruz de modo efetivo”
Pe. Moreau

Na tradição de Santa Cruz, educadores são todos aqueles chamados a comprometer-se e unir-se para a concretização da missão educativa.

Educadores buscam cotidianamente ser pessoas de esperança e alegria, compartilhando com seus alunos o apreço pelo conhecimento e a satisfação com a aprendizagem, levando-os a desenvolver os saberes de que necessitam para serem cidadãos competentes e entender o sentido do cuidado e do respeito que devem a si próprios, aos outros e ao seu ambiente, conduzindo-os pelos caminhos da construção da solidariedade, da justiça, da paz e da vida plena no mundo.

Cordialidade, comunicação, interesse, respeito e acolhimento: esses valores circulam em meio ao diálogo entre alunos e professores. As dificuldades são tratadas com serenidade, equilíbrio e firmeza. Dessa forma, o êxito pertence a todos. A coerência entre os preceitos e as ações projeta para os educandos o exemplo e o modelo vivo de seus educadores.